terça-feira, 30 de março de 2010

Os 10 Mandamentos e a Minha Negligência



É verdade que ultimamente estou diferente, e de fato nem sei porque.
Passo o dia tentando fingir ter paciência, quando por dentro uma profunda conturbação acontece.
Meus pensamentos mudaram ainda mais...
Fé praticamente já não tenho...
E viver ou morrer é só uma questão de tempo...

Não sei se é só “nóia” da minha cabeça, mas percebo que algumas pessoas, ou todas, me olham com desprezo..

Talvez seja só “nóia” mesmo...!

Não estou desiludido com a vida, apenas sinto uma leve sensação de inutilidade em alimentar tamanha falsidade. E eu sei que esse é um dos males que me cerca.
A culpa é minha...

Negligenciei a primeira lei dos meus mandamentos:

“não confiar em ninguém.”

E eu confiei... agora, pago por isso...
Recebo abraços falsos...
Ouço palavras enganadoras...

E não foi por falta de avisos ou consciência que me deixei abater.
Foi imprudência mesmo!
Tolice, talvez seja o nome mais apropriado...

Agora, meu medo não é ser feliz ou amargo, e sim cair em abstinência. E para que isso não ocorra devo voltar a me policiar e seguir fielmente meus dez mandamentos e tentar restabelecer a sanidade:
I – Não confiar em ninguém, mas fingir confiar;
II – Duvidar de tudo;
III – Procurar a autossuperação;
IV – Não preocupar-se em viver ou morrer;
V – Não construir laços afetivos;
VI – Ouvir mais e falar menos;
VII – Não ter medo;
VIII – Não esquecer que o mundo é injusto;
VIX – Não prejudicar ninguém;
X – Ser frio e calculista, seja qual for a circunstância .

Esses mandamentos podem parecer estranhos, mas é pelo peso da montanha que se mede o tamanho do inferno.


Elmo da Vinci Zaratustra

2 comentários:

Escritor de Rua disse...

Sombrio desabafo.
Bons poetas nascem de verões ruins.

claudinha disse...

"Não confiar em ninguém, mas fingir confiar."

Isto me fez refletir.
Parabéns, Elmo! ;D

Postar um comentário

Reflita sem moderação!