domingo, 11 de julho de 2010

Pretensões






Me banharei no deserto das ilusões
Dançarei a falsa do medo
Sonharei com as dores da vida
Jogarei pedras nas almas dos contentes
Cairei no poço cataclísmico
Direi palavras inúteis
E me embriagarei com a brisa dos cegos

Escreverei no livro das linhas tortas.
Acordarei com a noite dos que dormem.
Caminharei por estradas ensombradas
Abraçarei o nada
Sorrirei com as mágoas
E buscarei a paz dos loucos

Suarei com a tranqüilidade
Cansarei com a solidão dos sábios
Fugirei para a catedral dos blasfemos
Cuspirei nos pés dos anjos
Enganarei o deus dos santos
Ficarei estatualizado no caos do êxtase
E encurralarei a vida

Terei sede de viver
Pensarei pouco
Farei a dúvida prevalecer sobre a certeza
Ficarei calado
E ouvirei apenas o grito do silêncio...
---
Elmo da Vinci Zaratustra

6 comentários:

Pobre esponja disse...

A paz dos loucos, esse descompromisso com a realidade é algo de se buscar, deveras. A metáfora da brisa dos cegos ficou excelente. Ótima poesia.

abç
Pobre Esponja

lopes disse...

Curti os seus descaminhos: "... a dúvida prevalecer sobre a certeza"; "a paz dos loucos" ; parabéns!

claudia-oliveira10 disse...

"A paz dos loucos" realmente, chama atenção (me chama atenção). Tenho procurado também.
Mais uma linda obra, Elmo. Parabéns!

Karla Hack disse...

Gostei muito da insanidade sã dos versos...
Maravilha pura!

Francorebel disse...

Texto massa. Você escreve bem. Valeu!

Fátima disse...

Chega a ser blásfemo..rs
Tem todos os sentimentos negativos "jogarei pedras nas almas dos contentes".

Um poema negro, que não deixa de ser belo nesse contexto.
Beijos

Postar um comentário

Reflita sem moderação!